8 tipos exóticos de café

Acostumado a tomar um cafezinho preto simples, um pingado ou um cappuccino? Nem todo mundo gosta de tomar uma xícara de café tradicional. Alguns aventureiros gostam de conhecer os sabores do mundo. Se você é um desses, confira uma lista de cafés indispensáveis:

Espresso romano: O mais normal da lista, o espresso romano é servido com uma rodela de limão. De acordo com os criadores da mistura, a acidez da fruta realça o sabor do café.

Kopi Luwaki: Também conhecido como café civeta, o Kopi Luwaki é produzido na Indonésia e nas Filipinas com grãos extraídos das fezes da civeta, mamífero que vive, normalmente, em florestas tropicais. O sabor se mantém exótico graças às enzimas e bactérias únicas da civeta, acumuladas durante o processo de digestão da semente, que passa intacta pelo sistema digestivo do animal, já que as civetas só ingerem a polpa do café. Na Inglaterra, uma xícara de Kopi Luwaki chega a custar 50 libras esterlinas, o equivalente a pouco mais de R$ 310.

Café vietnamita: No Vietnã, é comum que o café seja ingerido após todas as refeições, como uma sobremesa. Para incrementar a receita, os vietnamitas acrescentam leite condensado e gema de ovo à xícara.

Kaffeost: Popular na Finlândia, o Kaffeost é servido com um pequeno cubo de queijo no fundo da xícara. O queijo em questão é o Leipäjuusto, feito a partir do leite de vacas que deram à luz recentemente.

Café de Olla: Este tradicional café mexicano é servido em um recipiente de argila, que faz com que a bebida tenha sabor distinto. Além disso, são acrescentados ao café um pouco de canela e piloncillo, doce feito de cana-de-açúcar, semelhante à nossa rapadura.

Café do jacu: Genuinamente brasileira, esta bebida é produzida com café colhido das fazes do jacu, também conhecido como Penélope, ave de grande porte, comum em zonas de floresta. Depois de ingeridas e excretadas pela ave, o grão desenvolve sabor menos ácido e mais exótico. Um quilo do grão do café de jacu custa pouco menos de R$ 300.
Achou parecido com o Kopi Luwaki? Os produtores do café do jacu tiveram a ideia de “cultivar” o grão depois de uma viagem à Indonésia, onde conheceram o café feito à base de grãos colhidos das fezes da civeta.

Café de elefante: Produzir grãos de café exóticos não é exclusividade de pequenos mamíferos e de aves. Na Tailândia, um canadense criou o Black Ivory Coffee, produzido a partir de grãos de café colhidos das fezes dos 20 elefantes que ele cria em sua propriedade. Um quilo do grão custa, aproximadamente, R$ 2,2 mil e uma xícara da bebida não sai por menos de R$ 100.

Café de Zhanghu: Produzido na vila de Zhanghu, em Taiwan, esta bebida é produzida a partir de grãos cuspidos por macacos. O produtor da bebida percebeu que pequenos primatas invadiam sua fazenda e mastigavam o suculento exterior da fruta, mas deixavam o grão intacto. A partir daí, começou a produzir a bebida com o café cuspido pelos animais que antes considerava uma praga e hoje fatura cerca de R$ 400 por quilo do grão.